Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A logical song

When I was young
It seemed that life was so wonderful
A miracle, oh it was beautiful, magical
And all the birds in the trees
Well they'd be singing so happily
Oh joyfully, oh playfully watching me
But then they sent me away
To teach me how to be sensible
Logical, oh responsible, practical
And they showed me a world
Where I could be so dependable
Oh clinical, oh intellectual, cynical
There are times when all the world's asleep
The questions run too deep
For such a simple man
Won't you please, please tell me what we've learned
I know it sounds absurd
But please tell me who I am
Now watch what you say
Or they'll be calling you a radical
A liberal, oh fanatical, criminal
Oh won't you sign up your name
We'd like to feel you're
Acceptable, respectable, oh presentable, a vegetable
At night when all the world's asleep
The questions run soo deep
For such a simple man
Won't you please, please tell me what we've learned
I know it sounds absurd
But please tell me who I am, who I am, who I am, who I am



sábado, 3 de dezembro de 2011

Atrás da porta

Eis uma magnífica letra de Chico Buarque cantada emocionadamente por Elis Regina

Quando olhaste bem nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus
Juro que não acreditei, eu te estranhei
Me debrucei sobre teu corpo e duvidei
E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
No teu peito, teu pijama
Nos teus pés ao pé da cama
Sem carinho, sem coberta
No tapete atrás da porta
Reclamei baixinho
Dei pra maldizer o nosso lar
Pra sujar teu nome, te humilhar
E me vingar a qualquer preço
Te adorando pelo avesso
Pra mostrar que ainda sou tua

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Cry me a river

Now you say you're lonely
You cry the long night through
Well, you can cry me a river
Cry me a river
I cried a river over you

Now you say you're sorry
For being so untrue
Well, you can cry me a river
Cry me a river
I cried a river over you

You drove me, nearly drove me, out of my head
While you never shed a tear
Remember, I remember, all that you said
You told me love was too plebeian
Told me you were through with me and

Now you say you love me
Well, just to prove that you do
Come on and cry me a river
Cry me a river
I cried a river over you
I cried a river over you
I cried a river...over you...




segunda-feira, 28 de novembro de 2011

With a little help from my friends




WHAT WOULD YOU DO IF I SANG OUT OF TUNE
WOULD YOU STAND UP AND WALK OUT ON ME
LEND ME YOUR EARS AND I'LL SING YOU A SONG
I WILL TRY NOT TO SING OUT OF KEY

I GET BY WITH A LITTLE HELP FROM MY FRIENDS
I JUST KEEP TRYING WITH A LITTLE HELP FROM MY FRIENDS
I WANT TO GET HIGH WITH MY FRIENDS
I JUST HOLD ON WITH MY FRIENDS

WHAT DO I DO WHEN MY LOVE IS AWAY
(DOES IT WORRY YOU TO BE ALL ALONE)
HOW DO I FEEL BY THE END OF THE DAY
(ARE YOU SAD BECAUSE YOUR ON YOUR OWN)

CHORUS

(DO YOU NEED ANY BODY)
I NEED SOME BODY TO LOVE
Lyrics www.allthelyrics.com/lyrics/joe_cocker/
(DO YOU NEED ANY BODY)
ALL I NEED IS SOMEONE TO LOVE

CHORUS

(WOULD YOU BELIEVE IN A LOVE AT FIRST SIGHT)
I'M CERTAIN IT HAPPENS ALL THE TIME, YEAH
(WHAT DO YOU SEE WHEN YOU TURN OFF THE LIGHTS)
I CANT TELL YOU , BUT IT SURE FEELS LIKE MINE

CHORUS

(DO YOU NEED ANYBODY)
AAAHHHHH, LOVE YEAH)
ALL I NEED IS SOMEONE, AAAHHHH, LOVING

Para ouvir outros temas de Joe Cocker clicar aqui

sábado, 12 de novembro de 2011

A minha prece de amor

Meu amor, não deixe o nosso amor entristecer
porque não pode um grande amor enfraquecer.
Eu deixei nas tuas mãos os sonhos meus
e de ti não quero ouvir nenhum adeus.

E foi num mundo de muita violência e tão pouco amor,
onde eu não reconheço mais meu pai, nem minha mãe
e vejo nos olhos do meu irmão tanto medo,
no sorriso do meu vizinho tanta desconfiança
e nos gestos do inimigo tanto rancor e nenhum perdão...
Foi num mundo de muitos deuses e poucas crenças,
muita ciência e pouca humildade,
mundo de grandes e pequenos, fortes e fracos, ricos e pobres...
Foi num mundo como esse que eu te encontrei e te amei
e quero fazer de ti a minha mulher.

Vem e põe em minhas mãos o coração.
Eu te dei e quero ter o teu perdão.
Faz do amor que existe em nós amor sem fim.
Paz na terra a quem amou assim!

sábado, 29 de outubro de 2011

Quase

Pesquisadora da música popular brasileira, de seus ritmos e de seu folclore, Clara Nunes também viajou várias vezes para a África, representando o Brasil. Conhecedora das danças e das tradições afro-brasileiras, ela se converteu à umbanda. Clara Nunes seria uma das cantoras que mais gravaria canções dos compositores da Portela, sua escola do coração. Também foi a primeira cantora brasileira a vender mais de 100 mil cópias, derrubando um tabu segundo o qual mulheres não vendiam disco

Foi pensando em você
Que eu escrevi essa triste canção
Foi pensando em você, que é meu tormento
E a minha paixão.

É nesses versos que eu quero dizer
O amor profundo que eu sinto por você.

Seu olhar me fascina
Ah, como eu vivo a sofrer
Quase que eu disse agora
O seu nome sem querer.

Não quero que zombe de nós
Toda essa gente
É por sua causa
Que eu estou tão diferente

Bem pertinho de mim ele está
Me ouvindo cantar
Bem pertinho dele eu estou...
Morrendo de amor


sábado, 22 de outubro de 2011

Eu sou a outra

Carmelita Madriaga, conhecida como Carmen Costa, nasceu em Trajano de Moraes a 5 de janeiro de 1920 e viria a falecer no Rio de Janeiro, 25 de abril de 2007, foi uma cantora e compositora brasileira.

Nascida no interior, aos 15 anos ela trabalhava na cidade do Rio de Janeiro como empregada doméstica do cantor Francisco Alves. Numa festa ele a fez cantar para os convidados, entre eles Carmen Miranda, e a incentivou a iniciar uma carreira.

Apresentou-se como caloura no programa de rádio de Ary Barroso, saindo-se vencedora.

Ele é casado e eu sou a outra,
Na vida dele,
Que vive qual uma brasa,
Por lhe faltar
Tudo em casa.

Ele é casado e eu sou a outra,
Que o mundo difama,
Que a vida, ingrata, maltrata,
E, sem dó, cobre de lama.

Quem me condena, como se condena
Uma mulher perdida,
Só me vêem na vida dele,
Mas não o vêem, na minha vida.

Não tenho nome, trago o coração ferido,
Mas tenho muito mais classe,
Do quem não soube pender o marido.


domingo, 16 de outubro de 2011

Último desejo

Dum dos maiores compositores brasileiros Noel Rosa , Chico Biarque de Holanda canta este magnífico Último desejo

Nosso amor que eu não esqueço
E que teve o seu começo
Numa festa de São João

Morre hoje sem foguete
Sem retrato e sem bilhete
Sem luar, sem violão

Perto de você me calo
Tudo penso e nada falo
Tenho medo de chorar

Nunca mais quero o seu beijo
Mas meu último desejo
Você não pode negar

Se alguma pessoa amiga
Pedir que você lhe diga
Se você me quer ou não
Diga que você me adora
Que você lamenta e chora
A nossa separação

Às pessoas que eu detesto
Diga sempre que eu não presto
Que meu lar é o botequim
Que eu arruinei sua vida
Que eu não mereço a comida
Que você pagou pra mim


sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Espinita

Cantado por Carmita Jimenez uma porto-riquenha nascida em 1944 e que viria a falecer a 10 Agosto de 2003

Suave, que me está sangrando
que estás acabando con mi corazón

Quisiera haberte sido infiel
y pagarte con una traición
eres como una espinita
que se me ha clavado en el corazón

Suave, que me está sangrando
que me estás matando de dolor

Yo que sufro por tu culpa
este cruel martirio que me da tu amor
no me importa lo que hagas
si en mi pecho vive toda tu ilusión

Y que pase lo que pase,
este pecho amante es nomás de ti
aunque yo quisiera no puedo olvidarte
porque vas dentro de mí
Aunque yo quisiera no puedo olvidarte
porque vas dentro de mí

Yo que sufro por tu culpa
este cruel martirio que me da tu amor
no me importa lo que hagas
si en mi pecho vive toda tu ilusión

Y que pase lo que pase,
este pecho amante es nomás de ti
aunque yo quisiera no puedo olvidarte
porque vas dentro de mí

Suave, que me estás matando
que estás acabando con mi juventud

Yo quisiera haberte sido infiel
y pagarte con una traición
eres como una espinita
que se me ha clavado en el corazón

Suave, que me está sangrando
que me estás matando de dolor
suave, que me está sangrando
que me estás matando de dolor


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Jerusalém de ouro

Na sua recente deslocação a Israel o rei cantou em 2 linguas

Como o ar de montanha
E transparente como o vinho
E o cheiro de pinho
Vem como o vento no tardecer
Como voz de campainhas
E quando a pedra e a árvore dormem
Então também está sonhando
Minha cidade Jerusalém
(Refrão)(2x)
Jerusalém, Jerusalém
Tu és de cobre, ouro e luz
Tu és cidade do meu Rei
Senhor Jesus
Como secaram as cisternas?
E o mercado está vazio
Ninguém visita o monte-templo
Na cidade velha
E nas cavernas que estão nas rochas
Os ventos chegam a chorar
Ninguém mais desce a Jericó
Onde Jesus entrou
(Refrão)
Quando venho a cantar-te
E a coroar-te de glória
Sou o menor dos menores
Dos filhos teus, Jerusalém
Teu nome queima os meus lábios
Como um beijo de amor
Não me esquecerei jamais
Jerusalém de Deus
(Refrão)




sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Catedral

O deserto que atravessei
Ninguém me viu passar
Estranha e só
Nem pude ver que o céu é maior

Tentei dizer
Mas vi você
Tão longe de chegar
Mais perto de algum lugar

É deserto onde eu te encontrei
Você me viu passar
Correndo só
Nem pude ver que o tempo é maior

Olhei pra mim
Me vi assim
Tão perto de chegar
Onde você não está

No silêncio uma catedral
Um templo em mim
Onde eu possa ser imortal
Mas vai existir
Eu sei, vai ter que existir
Vai resistir nosso lugar

Solidão, quem pode evitar?
Te encontro enfim
Meu coração é secular
Sonha e desagua dentro de mim
Amanhã, devagar
Me diz como voltar

É deserto onde eu te encontrei
Você me viu passar
Correndo só
Nem pude ver que o tempo é maior

Olhei pra mim
Me vi assim
Tão perto de chegar
Onde você não está

No silêncio uma Catedral
Um templo em mim
Onde eu possa ser imortal
Mas vai existir
Eu sei, vai ter que existir
Vai resistir nosso lugar

Solidão, quem pode evitar ?
Te encontro enfim
Meu coração é secular
Sonha e deságua dentro de mim
Amanhã, devagar
Me diz como voltar

Se eu disser que foi por amor
Não vou mentir pra mim
Se eu disser deixa pra depois
Não foi sempre assim

Tentei dizer
Mas vi você
Tão longe de chegar
Mais perto de algum lugar

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Amor à primeira vista

A primeira vez que te olhei
O meu coração disparou
E tão de repente eu notei
Que alguma coisa mudou...
Deu uma vontade
De me declarar
Posso até dizer
Que eu nunca senti...
Amor à primeira vista
Força dessa conquista
Fez a gente se revelar
Se isso for verdadeiro
Me entrego de corpo inteiro
Tenho tanto amor prá dar.

A primeira vez que te olhei
O meu coração disparou
Oh! Oh! Oh! Oh!
E tão de repente eu notei
Que alguma coisa mudou...
Deu uma vontade
De me declarar
Posso até dizer
Que eu nunca senti...
Amor à primeira vista
Força dessa conquista
Fez a gente se revelar
Se isso for verdadeiro
Me entrego de corpo inteiro
Tenho tanto amor prá dar

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Deixa eu te amar


Diogo Nogueira é filho dos compositores João Nogueira e Ângela Maria Nogueira.

Esteve nas rodas de samba do pai ao longo de toda a infância e adolescência,

Em 2010, ganhou o prémio de Melhor Artista ou Banda de MPB



Deixa eu te amar faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar eu quero estar o tempo inteiro
Quero ir na fonte do teu ser...e banhar-me na tua pureza
Guardar em potes gotas de felicidade, matar saudade que ainda existe em mim
Afogar teus cabelos molhados, pelo orvalho que a natureza rega
Com sutileza que lhe fez a perfeição, deixando a certeza de amor no coração
Deixa eu te amar faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar eu quero estar o tempo inteiro
**Quero saciar a minha sede, no desejo da paixão que me alucina
Vou me embrenhar em densa mata só porque
Existe uma cascata que tem água cristalina
Aí então, vou te amar com sede, na selva, na rede, onde você quiser
Quero te pegar no colo, te deitar no solo e te fazer mulher
Quero te pegar no colo, te deitar no solo e te fazer mulher
Deixa eu te amar faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar eu quero estar o tempo inteiro
Deixa eu te amar faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar eu quero estar o tempo inteiro

sábado, 23 de julho de 2011

Blue sky

Emily Nemmers mais conhecida como Emily West (Nascida em Waterloo, 6 de julho de 1981). É uma cantora country norte-americana.

Emily apareceu no 18 de abril de 2010 no episódio da Celebrity Apprentice, como a música "make-over" de destino para levar as mulheres da equipe de Cyndi Lauper. Lauper venceu o desafio e, como resultado West doou 100% do primeiro mês de iTunes venda de sua música "Céu Azul" para a Comunidade Stonewall Foundation, caridade Lauper.

So your conscience finally hit you
And you’re feeling guilty
And you’re wishing I was there
So you wanna say you’re sorry
Well, please forgive me if I’m too gone to care
You can take back your goodbyes
Wipe off those sad eyes
‘Cause I’ve got some tears of my own

Weather man says it’s gonna rain tonight
The kind of storm where the basement floods and you lose the lights
Should have thought of that before
‘Cause I’m not your blue sky anymore

So you heard the pitter-patter of a lost heart beating
And learned what it was for
So you made a list of shoulders that you’d be needing
Well mine aren’t yours anymore
Come on show me your temper
Be the man I remember
So I won’t forget what you’ve done

Weather man says it’s gonna rain tonight
The kind of storm where the basement floods and you lose the lights
Should have thought of that before
‘Cause I’m not your blue sky anymore

Don’t wanna be that blue sky
I’m not your blue sky anymore

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Acontece


Cantado por Cartola um dos primeiro êxitos da MPB

Esquece nosso amor, vê se esquece

Porque tudo na vida acontece
E acontece que eu já não sei mais amar
Vai sofrer, vai chorar, e você não merece
Mas isso acontece

Acontece que meu coração ficou frio
E o nosso ninho de amor está vazio
Se eu ainda pudesse fingir que te amo
Ah, se eu pudesse
Mas não posso, não devo fazê-lo
Isso não acontece

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Canto triste

Mónica Salmaso é uma cantora brasileira, nascida em São Paulo no dia 27 de Fevereiro de 1971.Mónica é casada há anos com o flautista/saxofonista do Grupo Pau Brasil, Teco Cardoso, com quem tem um filho de quatro anos, Theo.

Aqui canta esta letra de Vinicius de Morais Entre 2009 e 2010, participou do projecto "Afro Samba Jazz", dos músicos Mario Adnet e Philippe Powell, que misturaram o Afro Samba criado por Vinicius de Morais e Baden Powell ao Jazz, criando, dessa forma, um novo estilo musical.


Porque sempre foste a primavera em minha vida
Volta pra mim,
Desponta novamente no meu canto,
Eu te amo tanto...mais, te quero tanto mais
Há quanto tempo faz, partiste.

Como a primavera que também te viu partir
Sem um adeus sequer
E nada existe mais em minha vida
Como um carinho teu...como um silêncio teu
Lembro um sorriso teu...tão triste

Ah, Lua sem compaixão, sempre a vagar no céu
Onde se esconde a minha bem-amada?
Onde a minha namorada...
Vai e diz a ela as minhas penas e que eu peço

Peço apenas

Que ela lembre as nossas horas de poesia,
Das noites de paixão,
E diz-lhe da saudade em que me viste
Que estou sozinho...
Que só existe meu canto triste...
Na solidão

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Solamente una vez

olamente una vez
Amé en la vida
Solamente una vez
Y nada más
Una vez nada más
En mi huerto
Brilló la esperanza
La esperanza que alumbra el camino
De mi soledad
Una vez nada más
[ From : http://www.elyrics.net/read/l/luis-miguel-lyrics/solamente-una-vez-lyrics.html ]
Se entrega el alma
Con la dulce y total
Renunciación
Y cuando ese milagro realiza
El prodigio de amarse
Hay campanas de fiesta
Que cantan en el corazón



quarta-feira, 15 de junho de 2011

Ainda é tempo pra ser feliz

Beth Carvalho canta com Zeca Pagodinho, para um fá de samba isto é samba

Me cansei de ficar mudo, sem tentar
Sem falar
Mas não posso deixar tudo como está
Como está você?
Tô vivendo por viver
Tô cansada de chorar
Não sei mais o que fazer
Você tem que me ajudar
Tá difícil esquecer
Impossível não lembrar você
Você, ê, ê
Com o fim do nosso amor
Eu também tô por aí
Já não sei pra onde vou
Quantas noites sem dormir
Alivia minha dor
E me faça, por favor, sorrir
Vem pros meus braços, meu amor
Meu acalanto
Leva esse pranto pra bem longe de nós dois
Não deixe nada pra depois
É a saudade que me diz
Que ainda é tempo pra viver feliz


sexta-feira, 3 de junho de 2011

Foi teu jeito de sorrir

Não foi teu olhar
Não foi teu andar
Foi teu jeito de sorrir
Que me cativou
Que me fez sonhar
Fez meu mundo se abrir
Sofrido, carente
Cansado demais
O meu coração
Encontrou a paz
Se estou ao seu lado
Esqueço o passado
E mergulho nesse amor
Ah nesse amor!

O nosso amor
Tem gosto de céu, tem cheiro de mar
É puro, é flor de maracujá
É calmo, é chá de erva-cidreira
O nosso amor
É luz do luar, é sol de queimar
Estrela que vem para abençoar
Porque o nosso amor é pra vida inteira

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Corpo Renascido

Corpo Renascido
Canção.
Toco-te e respiras
Sangue do meu sangue.

Cantando é como se dissesse:
Estou aqui.
Cantando eu nego o que me nega
Acto de amor
Coração perpendicular ao tempo.

Cantando é como se dissesse:
Estou aqui.
Na multidão que está dentro de mim.
Recuso a morte cantando
Recuso a solidão.

Canção casa de mundo
Viagem do homem para o homem
Meu pedaço de pão rosa de Maio
Criança a rir na madrugada.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Livre




(Não há machado que corte

a raíz ao pensamento)

não há morte para o vento

não há morte)


Se ao morrer o coração

morresse a luz que lhe é querida

sem razão seria a vida

sem razão


Nada apaga a luz que vive

num amor num pensamento

porque é livre como o vento

porque é livre

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Canta amigo canta

Canta canta amigo canta
vem cantar a nossa canção
tu sózinho não és nada
juntos temos o mundo na mão

Erguer a voz e cantar
é força de quem é novo
viver sempre a esperar
fraqueza de quem é povo

Vives em casa de tábuas
à espera dum novo dia
enquanto que a terra engole
a tua antiga alegria

Canta canta amigo canta
...

O teu corpo é um barco
que não tem leme nem velas
a tua vida é uma casa
sem portas e sem janelas

Não vás ao sabor do vento
aprende a canção da esperança
vem semear tempestades
se queres colher a bonança

Canta canta amigo canta
......

Já que me chamas amigo
prova-me lá que o és
vem para a ceifa comigo
na terra sujar os pés

Eu vou contigo pró campo
eu vou comer do teu pão
Tu dás-me a força da vida
eu dou-te a minha canção


terça-feira, 10 de maio de 2011

Inquietação

A contas com o bem que tu me fazes
A contas com o mal por que passei
Com tantas guerras que travei
Já não sei fazer as pazes

São flores aos milhões entre ruínas
Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas
Oiro em pó que o vento espalha

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Ensinas-me fazer tantas perguntas
Na volta das respostas que eu trazia
Quantas promessas eu faria
Se as cumprisse todas juntas

Não largues esta mão no torvelinho
Pois falta sempre pouco para chegar
Eu não meti o barco ao mar
Pra ficar pelo caminho

Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Mas sei
É que não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer
Qualquer coisa que eu devia resolver
Porquê, não sei
Mas sei
Que essa coisa é que é linda


segunda-feira, 25 de abril de 2011

FMI

Lamentável forma de comemorar Abril, onde cada vez mais, estamos de novo, muito perto de 1978 e de dar razão total a José Mário Branco.

Os filhos da puta são os mesmos, das mesmas famílias, mas a culpa é nossa... por enquanto

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Catulo da Paixão Cearense foi um dos poucos, talvez o único, poeta popular no Brasil que, em vida, recebeu todas as glórias, todas as honras e uma adoração popular tão grande. Isso porque usou e abusou de toda a sonoridade que o sotaque nordestino lhe proporcionou, soube colocar em versos simples onde era o lugar de pôr versos simples.

Fáfa de Belem canta uma letra sua com música de Pedro de Alcantara

Ontem ao luar
Nós dois em plena solidão
Tu me perguntaste
O que era dor de uma paixão
Nada respondi
Calmo assim fiquei
Mas fitando azul do azul do céu
A lua azul e te mostrei
Mostrando a ti dos olhos meus correr senti
Uma nívea lágrima e assim te respondi
Fiquei a sorrir por ter o prazer de ver a lágrima nos olhos a sofrer
A dor da paixão não tem explicação
Como definir o que só sei sentir
É mister sofrer para se saber
O que no peito o coração não quer dizer
Pergunto ao luar travesso e tão taful
De noite a chorar na onda toda azul
pergunto ao luar do mar a canção
Qual o mistério que há na dor de uma paixão
Se tu desejas saber o que é o amor
Sentir o seu calor
O amaríssimo travor do seu dulçor
Sobe o monte a beira mar ao luar
Ouve a onda sobre a areia lacrimar
Ouve o silêncio de um calado coração
A falar da solidão
A penar a derramar os prantos seus
Ouve o choro perenal a dor silente universal
E a dor maior que a dor de Deus
Se tu queres mais
Saber a fonte dos meus ais
Põe o ouvido aqui na rósea flor do coração
Ouve a inquietação da merencória pulsação
Busca saber qual a razão
Porque ele vive assim tão triste a suspirar
A palpitar em desesperação
Na teima de amar um insensível coração
Que a ninguém dirá no peito ingrato em que ele está
Mas que ao sepulcro fatalmente o levará

domingo, 17 de abril de 2011

Lo rosário de mi madre

María Dolores Pradera Fernández nasceu em Madrid a 29 de Agosto de 1925, conhecido artisticamente como María Dolores Pradera, é uma cantora e actriz espanhola .

É uma dos artistas de seu país que ganhou fama internacional por sua voz excepcional e divulgação da música em espanhol.

Aunque no creas tu
Como que me oye dios
Esta sera la ultima cita de los dos

Comprenderas que por demas
Que te empeñes en finguir
Porque el dolor de un mal amor
No es como para morir

Pero desecha ya
Mas bella ilucion
A nadie ya en el mundo
Dare mi corazon

Devuelbeme mi amor
Para matarlo
Devuelveme el cariño que te di
Tu no eres quien merece conservarlo
Tu ya no vales nada para mi

Devuelveme el rosario de mi madre
Y quedate con todo lo demas
Lo tuyo te lo envio culaquier tarde
No quiero que me veas nunca mas

video

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Mi gitana dónde estará

ay ay mi gitana dónde andará
todo son murmuraciones, no puede ser verda
pero ese con el que bailas con tanto ardor
los brazos como dianas a su alrededor

ay mi gitana dónde andará

ya relucen navajas en menos de un amén
un espectro los separa con su viso de satén
mi cuerpo es la luz que clama
mi cuerpo es el fin
yo caigo herido a un lao
yo me agarro al atril

ay mi gitana dónde andará

no quiero palomas, enviadme el halcón
esto es el fin del mundo el diluvio el gran apagón
y hombres y mujeres pidiendo compasión
pero para tí que los separas no habrá perdón

ay mi gitana dónde andará

video

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Dance me to the end of love

Leonard Norman Cohen nasceu em Montreal, 21 de Setembro de 1934 é um cantor, compositor, poeta e escritor canadiano.

Embora seja mais conhecido por suas canções, que alcançaram notoriedade tanto em sua voz quanto na de outros intérpretes, Cohen passou a se dedicar à música apenas depois dos 30 anos, já consagrado como autor de romances e livros de poesia.


Dance me to your beauty with a burning violin
Dance me through the panic 'til I'm gathered safely in
Lift me like an olive branch and be my homeward dove
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love
Oh let me see your beauty when the witnesses are gone
Let me feel you moving like they do in Babylon
Show me slowly what I only know the limits of
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love

Dance me to the wedding now, dance me on and on
Dance me very tenderly and dance me very long
We're both of us beneath our love, we're both of us above
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love

Dance me to the children who are asking to be born
Dance me through the curtains that our kisses have outworn
Raise a tent of shelter now, though every thread is torn
Dance me to the end of love

Dance me to your beauty with a burning violin
Dance me through the panic till I'm gathered safely in
Touch me with your naked hand or touch me with your glove
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love
Dance me to the end of love


video

quarta-feira, 30 de março de 2011

Por la mar chica del puerto

Mayte Martín nasceu em Barcelona a 19 de abril de 1965 É uma cantora de Flamenco e de boleros e é amplamente reconhecida como uma das vozes mais importante de sua geração

Por la mar chica del puerto
andan buscando los buzos
la llave de mis recuerdos.

(Se le ha borrado a la arena
la huella del pie descalzo
pero le queda la pena.

Y eso no puede borrarlo.)

Por la mar chica del puerto
el agua que era antes clara
se está cansando de serlo.

(A la sombra de una barca
me quiero tumbar un día;
echarme todo a la espalda
y soñar con la alegría.)

Por la mar chica del puerto
el agua se pone triste
con mi naufragio por dentro.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Baila comigo( hasta el fm del amor)

Petra Batalla é uma cantora mexicano-americana nascida em Los Angeles

Seu pai era um músico A primeira vez que ganhou a atenção internacional como cantora de apoio para Leonard Cohen , que mais tarde incentivou Perla a seguir uma carreira a solo.

Os críticos adoraram, chamando-a de cantar "sublime" e de seu talento "deslumbrante".

. Como muitos artistas originais hoje, Perla optou por ser independente, lançando seu segundo álbum, "mestiça", em 1998, com seu próprio selo musical Mechuda.

Como intérprete respeitada da música de Leonard Cohen, Batalla entrou numa série de concertos inspirados nas suas composições como é o caso deste Baila comigo( hasta el fm del amor)



video

domingo, 13 de março de 2011

Apelo

Ah, meu amor não vás embora
Vê a vida como chora, vê que triste esta canção
Não, eu te peço, não te ausentes
Pois a dor que agora sentes, só se esquece no perdão
Ah, minha amada me perdoa
Pois embora ainda te doa a tristeza que causei
Eu te suplico não destruas tantas coisas que são tuas
Por um mal que eu já paguei

Ah, minha amada, se soubesses
Da tristeza que há nas preces
Que a chorar te faço eu
Se tu soubesses num momento todo arrependimento
Como tudo entristeceu
Se tu soubesses como é triste
Perceber que tu partiste
Sem sequer dizer adeus

Ah, meu amor tu voltarias
E de novo cairias
A chorar nos braços meus


quinta-feira, 10 de março de 2011

Quando pienso en ti

Cuando pienso en tí..
recuerdo que contigo..
conocí el amor..
me sangran las heridas..
que dejó, que haré sin tí..
Cuando te perdí..
buscaba en mi almohada..
siempre tu calor..
me ahogaba muy adentro este dolor..
dónde estás mi amor..
Cuando pienso en tí..
tu cuerpo en mi cuerpo..
vuelvo yo a sentir..
cuando pienso en tí..
recuerdo aquellas noches..
sin fin, sin fin..
Cuando pienso en tí..
me aferro a este dolor..
que siempre vive en mí..
Cuando pienso en tí..
recuerdo a ese hombre que yo fuí..
que yo te dí..
Cuando pienso en tí..
me envuelve la tristeza..
de un presente gris..
me abrazo a la nostalgia..
porque así soy felíz..
estás en mí..

quinta-feira, 3 de março de 2011

Rosa de Hiroshima

O poema é de Vinicius de Morais as vozes nem precisam de apresentações Ney Matogrosso e Simone Bettencourt de Oliveira

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas, oh, não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Lábios de mel

Meu amor quando me beija
Vejo o mundo revirar
Vejo o céu aqui na terra
E a terra no ar
Os seus lábios têm um mel
Que a abelha tira da flor
Eu sou pobre, pobre, pobre
Mas é meu o seu amor
Quem tem amor peça a Deus
Pra seu bem
Lhe amar de verdade
Para mais tarde
Não ter desenganos
E chorar de saudade
Quem foi na vida
Que teve um amor
E esse amor sem razão lhe deixou
E até hoje não guarda no peito
A marca da dor


domingo, 20 de fevereiro de 2011

Mar azul

Maravilha este tema cantado por Cesaria Évora e Marisa Monte


O... Mar, detá quitinho bô dixam bai
Bô dixam bai spiá nha terra
Bô dixam bai salvá nha Mâe... Oh Mar
Mar azul, subi mansinho
Lua cheia lumiam caminho
Pam ba nha terra di meu
São Vicente pequinino, pam bà braçá nha cretcheu...
Oh... Mar, anô passá tempo corrê
Sol raiá, lua sai
A mi ausente na terra longe... O Mar




terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Gostoso demais

Tô com saudade de tu, meu desejo
Tô com saudade do beijo e do mel
Do teu olhar carinhoso
Do teu abraço gostoso
De passear no teu céu
É tão difícil ficar sem você
O teu amor é gostoso demais
Teu cheiro me dar prazer
Quando estou com você
Estou nos braços da paz
Pensamento viaja
E vai buscar meu bem-querer
Não dá prá ser feliz, assim
Tem dó de mim
O que eu posso fazer.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Alentejo

Alentejo cantada pelos Ceifeiros de Cuba, na Taberna do Lucas, em Cuba, Alentejo.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Esta ilha que há em mim

Simone Bettencourt de Oliveira canta com Dulce Pontes

Esta ilha que há em mim
E que em ilha me transforma
Perdida num mar sem fim
Perdida dentro de mim
Tem da minha ilha a forma
Esta lava incandescente
Derramada no meu peito
Faz de mim um ser diferente
Tenho do mar a semente
Da saudade tenho o jeito
Trago no corpo a mordaça
Das brumas e nevoeiros
Há uma nuvem que ameaça
Desfazer-se em aguaceiros
Nestes meus olhos de garça
Neste beco sem saída
Onde o meu coração mora
Ouço sons da despedida
Vejo sinais de partida
Mas teimo em não ir embora



segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O meu amor

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo
E me crava os dentes
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que me deixa maluca, quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba mal feita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz



sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Poeira

Música sertaneja de qualidade


O carro de boi lá vai gemendo lá num estradão
Suas grandes rodas fazendo profundas marcas no chão
Vai levantando poeira, poeira vermelha, poeira
Poeira do sertão

Olha seu moço a boiada, em busca dum ribeirão
Vai mugindo e vai ruminando, cabeças em confusão
Vai levantando poeira, poeira vermelha, poeira
Poeira do meu sertão

Olha só o boiadeiro montado em seu alazão
Conduzindo toda a boiada com seu berrante na mão
Seu rosto é só poeira, poeira vermelha, poeira
Poeira do meu sertão

Poeira entra em meus olhos, não fico zangado não
Pois sei que quando eu morrer meu corpo vai para o chão
Se transformar em poeira, poeira vermelha, poeira

Poeira do meu sertão, poeira do meu sertão, poeira
Poeira do meu sertão

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Beijo e saudade

Que maravilha ouvir Tito Paris e Mariza


Ondas sagradas do Tejo
Deixa-me beijar as tuas águas
Deixa-me dar-te um beijo
Um beijo de mágoa
Um beijo de saudade
Para levar ao mar e o mar à minha terra

Nas tuas ondas cristalinas
Deixa-me dar-te um beijo
Na tua boca de menina
Deixa-me dar-te um beijo, óh Tejo
Um beijo de mágoa
Um beijo de saudade
Para levar ao mar e o mar à minha terra

Minha terra é aquela pequenina
É Cabo Verde terra minha
Aquela que no mar parece criança
É filha do oceano
É filha do céu
Terra da minha mãe
terra dos meus amores

Bêjo Di Sodade

Onda sagrada di Tejo
Dixám'bejábu bô água
Dixám'dábu um beijo
Um bêjo di mágoa
Um bêjo di sodadi
Pá bô levá mar, pá mar leval'nha terra

Na bôs onda cristalina
Dixám'dábu um beijo
Na bô boca di mimina
Dixám'dábu um beijo óh Tejo
Um bêjo di mágoa
Um bêjo di sodadi
Pá bô levá mar, pá mar leval'nha terra

Nha terra ê quêl piquinino
È Cabo Verde, quêl quê di meu
Terra que na mar parcê minino
È fidjo d'oceano
È fidjo di céu
Terra di nha mãe
Terra di nha cretcheu