Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

sexta-feira, 28 de março de 2008

Explode coração

Chega de tentar dissimular
E disfarçar e esconder
O que não dá mais pra ocultar
E eu não posso mais calar
Ja que o brilho desse olhar foi traidor e
Entregou o que você tentou conter
O que você não quis desabafar e me cortou

Chega de temer, chorar, sofrer
Sorrir, se dar, e se perder, e se achar
Que tudo aquilo que é viver,
Eu quero mais é me abrir
E que essa vida entre assim
Como se fosse o sol
Desvirginando a madrugada
Quero sentir a dor dessa manhã

Nascendo, rompendo, rasgando,
E tomando meu corpo e então eu
Chorando, sofrendo, gostando, adorando, gritando
Feito louco, alucinado e criança
Sentindo o meu amor se derramando
Não da mais pra segurar
Explode coração

Para ver clicar >>>>>>>aqui



Those were the days

Confesso que hoje, acho isto um bocado isonso mas a Mary Hopkin cantava-o e eu nesse tempo gostava, coisas da juventude, metia miúdas e tudo.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui

Once upon a time there was a tavern
Where we used to raise a glass or two
Remember how we laughed away the hours
And dreamed of all the great things we would do

Those were the days my friend
We thought they'd never end
We'd sing and dance forever and a day
We'd live the life we choose
We'd fight and never lose
For we were young and sure to have our way.
La la la la...
Those were the days, oh yes those were the days

Then the busy years went rushing by us
We lost our starry notions on the way
If by chance I'd see you in the tavern
We'd smile at one another and we'd say

Those were the days my friend
We thought they'd never end
We'd sing and dance forever and a day
We'd live the life we choose
We'd fight and never lose
For we were young and sure to have our way.
La la la la...
Those were the days, oh yes those were the days

Just tonight I stood before the tavern
Nothing seemed the way it used to be
In the glass I saw a strange reflection
Was that lonely woman really me

Those were the days my friend
We thought they'd never end
We'd sing and dance forever and a day
We'd live the life we choose
We'd fight and never lose
For we were young and sure to have our way.
La la la la...
Those were the days, oh yes those were the days

Through the door there came familiar laughter
I saw your face and heard you call my name
Oh my friend we're older but no wiser
For in our hearts the dreams are still the same

Those were the days my friend
We thought they'd never end
We'd sing and dance forever and a day
We'd live the life we choose
We'd fight and never lose
For we were young and sure to have our way.
La la la la...
Those were the days, oh yes those were the days

Save the last dance for me

Emmilou Harris nos seus sessenta aninhos ainda em grande forma. Apesar de colocada, para fins de referência, no genero country, Emmylou transita igualmente pelo folk, country alternativo, rock e, ocasionalmente pelo pop. Sempre interessada pelas raízes da música americana, seus discos quase sempre contêm antigas canções folclóricas, canções gospel e bluegrass.



You can dance
Every dance with the girl who gives you the eye
Let her hold you tight
You can smile
Every smile for the girl who'd like to treat you right
'Neath the pale moonlight
But don't forget who's takin' you home
And in who's arms you're gonna be
Oh, darlin' save the last dance for me
Oh I know
That the music's fine like sparklin' wine
Go and have your fun
Dance and sing
But while we're apart don't give your heart to anyone
And don't forget who's takin' you home
And in who's arms you're gonna be
Oh, darlin', save the last dance for me

You can dance
Go and carry on till the night is gone
And it's time to go
If she asks
If you're all alone, can she take you home
You must tell her no

And don't forget who's takin' you home
And in who's arms you're gonna be
Oh, darlin', save the last dance for me
And don't forget who's takin' you home
And in who's arms you're gonna be
Oh, darlin', save the last dance for me

Soneto da fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui


quarta-feira, 26 de março de 2008

Chega de saudade

Vinicius de Morais e Tom Jobim são os autores mas quem canta é o João Gilberto

Vai minha tristeza e diz à ela que sem ela não pode
ser. Diz-lhe numa prece que ela regresse, porque eu
não posso mais sofrer.

Chega de saudade, a realidade é que sem ela não há
paz, não há beleza é só tristeza e a melancolia que
não sai de mim, não sai de mim, não sai...

Mas se ela voltar, se ela voltar, que coisa linda...
que coisa louca... pois há menos peixinhos a nadar no
mar, do que os beijinhos que eu darei na sua boca.

Dentro dos meus braços, os abraços hão de ser milhões
de abraços: apertado assim, colado assim, calado
assim; abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim, que
é para acabar com esse negócio de voce viver sem
mim,

Mas se ela voltar, se ela voltar, que coisa linda...
que coisa louca... pois há menos peixinhos a nadar no
mar, do que os beijinhos que eu darei na sua boca.

Dentro dos meus braços, os abraços hão de ser milhões
de abraços: apertado assim, colado assim, calado
assim; abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim, que
é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim.

Não quero mais esse negócio de você viver assim!
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim!

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>> aqui


sábado, 22 de março de 2008

Pedra Filosofal

No dia Mundial da poesia este poema de António Gedeão, cantado por Manuel Freire


Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer

como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos

como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam
como estas árvores que gritam
em bebedeiras de azul

eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento
bichinho alacre e sedento
de focinho pontiagudo
no perpétuo movimento

Eles não sabem que o sonho
é tela é cor é pincel
base, fuste ou capitel
arco em ogiva, vitral

Pináculo de catedral
contraponto, sinfonia
máscara grega, magia
que é retorta de alquimista

mapa do mundo distante
Rosa dos Ventos Infante
caravela quinhentista
que é cabo da Boa-Esperança

Ouro, canela, marfim
florete de espadachim
bastidor, passo de dança
Columbina e Arlequim

passarola voadora
pára-raios, locomotiva
barco de proa festiva
alto-forno, geradora

cisão do átomo, radar
ultra-som, televisão
desembarque em foguetão
na superfície lunar

Eles não sabem nem sonham
que o sonho comanda a vida
e que sempre que o homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos duma criança

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>> aqui




quinta-feira, 20 de março de 2008

La boheme

Je vous parle d'un temps
Que les moins de vingt ans
Ne peuvent pas connaître
Montmartre en ce temps-là
Accrochait ses lilas
Jusque sous nos fenêtres
Et si l'humble garni
Qui nous servait de nid
Ne payait pas de mine
C'est là qu'on s'est connu
Moi qui criait famine
Et toi qui posais nue
La bohème, la bohème
Ça voulait dire on est heureux
La bohème, la bohème
Nous ne mangions qu'un jour sur deux
Dans les cafés voisins
Nous étions quelques-uns
Qui attendions la gloire
Et bien que miséreux
Avec le ventre creux
Nous ne cessions d'y croire
Et quand quelque bistro
Contre un bon repas chaud
Nous prenait une toile
Nous récitions des vers
Groupés autour du poêle
En oubliant l'hiver
La bohème, la bohème
Ça voulait dire tu es jolie
La bohème, la bohème
Et nous avions tous du génie
Souvent il m'arrivait
Devant mon chevalet
De passer des nuits blanches
Retouchant le dessin
De la ligne d'un sein
Du galbe d'une hanche
Et ce n'est qu'au matin
Qu'on s'asseyait enfin
Devant un café-crème
Epuisés mais ravis
Fallait-il que l'on s'aime
Et qu'on aime la vie
La bohème, la bohème
Ça voulait dire on a vingt ans
La bohème, la bohème
Et nous vivions de l'air du temps
Quand au hasard des jours
Je m'en vais faire un tour
A mon ancienne adresse
Je ne reconnais plus
Ni les murs, ni les rues
Qui ont vu ma jeunesse
En haut d'un escalier
Je cherche l'atelier
Dont plus rien ne subsiste
Dans son nouveau décor
Montmartre semble triste
Et les lilas sont morts
La bohème, la bohème
On était jeunes, on était fous
La bohème, la bohème
Ça ne veut plus rien dire du tout

Caso não consiga ver e ouvir video clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui




sábado, 15 de março de 2008

Avec le temps

Só aos menores de idade, é possível não conhecerem Léo Ferré, para os avós e para os filhos dos avós, Léo era para ouvir e deixar que o seu inconformismo, anárquico, contagiasse os nossos sonhos jovens, de querer mudar o Mundo.

Avec le temps
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
On oublie le visage et l'on oublie la voix
Le coeur quand ça bat plus, c'est pas la peine d'aller

Chercher plus loin, faut laisser faire et c'est très
bien
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
L'autre qu'on adorait, qu'on cherchait sous la pluie
L'autre qu'on devinait au détour d'un regard
Entre les mots, entre les lignes et sous le fard
D'un serment maquillé qui s'en va faire sa nuit
Avec le temps tout s'évanouit
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
Mêm' les plus chouett's souv'nirs ça t'a un' de ces
gueules
A la Gal'rie j'Farfouille dans les rayons d'la mort
Le samedi soir quand la tendresse s'en va tout' seule

Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
L'autre à qui l'on croyait, pour un rhume, pour un
rien
L'autre à qui l'on donnait du vent et des bijoux
Pour qui l'on eût vendu son âme pour quelques sous
Devant quoi l'on s'trainait comme trainent les chiens

Avec le temps, va, tout va bien
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
On oublie les passions et l'on oublie les voix
Qui vous disaient tout bas les mots des pauvres gens
Ne rentre pas trop tard, surtout ne prend pas froid
Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va
Et l'on se sent blanchi comme un cheval fourbu
Et l'on se sent glacé dans un lit de hasard
Et l'on se sent tout seul peut-être mais peinard
Et l'on se sent floué par les années perdues
Alors vraiment
Avec le temps on n'aime plus.


Amor primero

Trago hoje uma coisinha dos amores primeiros, o recordar dos primeiros tempos, dos amores de escola, ingenuidade desses tempos em que cantavam coisas assim.

Paxti Andion é o autor da letra e canta com um grupo chamado Mocedades

Se me ha dormido un sueño en el café
Perdido por el tiempo de nunca volver
La tarde en el colegio y un corazón
Clavado en el pupitre entre los dos.

Estas algo más rubia y así de pie
Pareces aún más alta de lo que pensé
Cuando tú eras la envidia y yo el por qué
Que tu padre decía me iba a perder

Quiero echar la vista atrás
Donde se encuentran
Mi plumiere y mi compás
Y tus trenzas

Y volver a rebuscar por un solar
Yo mis ganas de pelear y tú el susto
Que te daba no verme más
A fin de curso.

Ay amor, amor primero
Y de segundo, tercero y cuarto
Ay amor, te quise tanto
Cuando el beso era amor
Y el amor canto.

Amor desde el gimnasio a la excursión
Desde la geografía, amor sin razón
Amor de tinta y tiza
Amor de portal
Amor de cada día y en cada lugar.

Amor que aun ahora guardo en la piel
El beso, la caricia, el toque, temblor
Amor perdido, amor de nunca volver.. .
Camarero, por favor, otro café.

Dónde están, donde se encuentran
Mi primero y mi compás
Y tus trenzas

Y volver a rebuscar por un solar
Yo mis ganas de pelear y tú el susto
Que te daba no verme más
A fin de curso.



terça-feira, 11 de março de 2008

O barco vai de saída


Por esse rio acima aposto que muita gente votaria neste trabalho do Fausto, com um dos melhores trabalhos de sempre da música portuguesa.

Oficialmente, Carlos Fausto Bordalo Gomes Dias nasceu em 26 de Novembro de 1948, em pleno oceano Atlântico, a bordo de um navio chamado «Pátria» que viajava de Portugal para Angola. Foi nesta antiga colónia portuguesa que passou a infância e adolescência e começou a interessar-se por música. Filho de beirões, assimilou os ritmos africanos a que juntaria, mais tarde, os das suas origens lusas.

Para ler mais sobre Fausto carregar aqui


O barco vai de saída

Adeus ó cais de alfama
Se agora vou de partida
Levo-te comigo ó cana verde
Lembra-te de mim ó meu amor
Lembra-te de mim nesta aventura
P´ra lá da loucura
P´ra lá do equador

Ah! mas que ingrata ventura bem me posso queixar
Da pátria a pouca fartura
Cheia de mágoas ai quebra mar
Com tantos perigos ai minha vida
Com tantos medos e sobressaltos
Que eu já vou aos saltos
Que eu vou de fugida

Sem contar essa história escondida
Por servir de criado a essa senhora
Serviu-se ela também tão sedutora
Foi pecado
Foi pecado
E foi pecado sim senhor
Que vida boa era a de Lisboa

Gingão de roda batida
Corsário sem cruzado
Ao som do baile mandado
Em terras de pimenta e maravilha
Com sonhos de prata e fantasia
Com sonhos da cor do arco-íris
Desvairas se os vires
Desvairas magia

Já tenho a vela enfunada
Marrano sem vergonha
Judeu sem coisa nem fronha
Vou de viagem ai que largada
Só vejo cores ai que alegria
Só vejo piratas e tesouros
São pratas são ouros
São noites são dias

Vou no espantoso trono das águas
Vou no tremendo assopro dos ventos
Vou por cima dos meus pensamentos
Arrepia
Arrepia
E arrepia sim senhor
Que vida boa era a de Lisboa

O mar das águas ardendo
O delírio dos céus
A fúria do barlavento
Arreia a vela e vai marujo ao leme
Vira o barco e cai marujo ao mar
Vira o barco na curva da morte
Olha a minha sorte
Olha o meu azar

E depois do barco virado
Grandes urros e gritos
Na salvação dos aflitos
Esfola, mata, agarra
Ai quem me ajuda
Reza, implora, escapa
Ai que pagode
Reza tremem heróis e eunucos
São mouros são turcos
São mouros acode

Aquilo é uma tempestade medonha
Aquilo vai p´ra lá do que é eterno
Aquilo era o retrato do inferno
Vai ao fundo
Vai ao fundo
E vai ao fundo sim senhor
Que vida boa era a de Lisboa.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui

sexta-feira, 7 de março de 2008

Vinte años

Francisco José Andión González nasceu em Madrid, a 6 de Outubro de 1947. Gostava de cantar. Aos cinco anos aparece pela primeira vez em público. Aos doze, formou o seu primeiro conjunto musical. Fez-se rockeiro. Cantava "Popotitos" com Los Camperos. Logo depois, entrou num barco bacalhoeiro e chegou à Terranova. " Fui um lobo solitário, toda a minha vida - conta Patxi - Um lobo das estepes, que viveu mal e passou muita fome."

E foi para Paris, porque adorava as canções de Brassens, de Brel, de Piaf, de Greco. Durou ano e meio a sua estadia na capital francesa.De guitarra na mão, cantava num recanto da estação de "Metro" Odeón. Depois, num cabaret chamado "La Candelaria". E no "La Contrascarpe" e "L'Escale". Vagueava pelas "caves" de Montparnasse e pelos bares de alterne de Paris. Voltou a Espanha e por lá ficou.

Veinte años de estar juntos... esta tarde se han cumplido
para ti, flores, perfumes, para mí... algunos libros.
No te he dicho grandes cosas porque.. porque no me habrían salido
ya sabes, cosas de viejos... requemor de no haber sido.

Hace tiempo que intentamos... abonar nuestro destino,
tú... tú bajabas la persiana yo... apuraba mi último vino.

Hoy, en esta noche fría... casi como ignorando el sabor de soledad compartida,
quise hacerte una canción para cantarla
despacito... como se duerme a los niños...
y... y ya ves, solo palabras sobre notas me han salido,
que al igual que tú y que yo...
ni se estorban... ni se importan, se soportan amistosas,
más.... más no son.. no son una canción.

¡¡¡Que helada que está esta casa!!!
Será... será, que está cerca el río o... o es que entramos en invierno y están
están llegando los fríos.

(Não deixo de realçar o magnífico vídeo de Bento Machado a quem descaradamente o roubei)

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui

Early morning rain

Peter Paul and Mary o inesgotável talento que nos deixou coisas inesquecíveis

In the early mornin' rain with a dollar in my hand
and an aching in my heart, and my pockets full of
sand
I'm a long way from home, and I miss my loved on so
In the early mornin' rain with no place to go.

Out on runway number nine, big seven-o-seven set to
go
But I'm out here on the grass where the pavement never
grows
Well the liquor tasted good and the women all were
fast
There she goes my friend, she's rollin' down at last.

Hear the mighty engine roar, see the silver wing on
higt
She's away and westward bound far above the clouds
she'll fly
Where the mornin' rain don't fall and the sun always
shines
She'll be flyin' o're my home in about three hours
time.

This old airport's got me down, it's no earthly good
to me
Cause I'm stuck here on the ground,
Cold and drunk, as I might be.
Can't jump a jet plane like you can a freight train
So I'd best be on my way in the early mornin' rain.

So I'd best be on my way in the early mornin' rain.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>> aqui

terça-feira, 4 de março de 2008

Cavalo à solta

Fernando Tordo nasceu em 29 de Março de 1948, está portanto a dias de fazer 60 anos, parecendo "quase" impossível, estar tanbém a fazer 44 anos de carreira.
Durante largos anos fez parceria com o grande poeta José Carlos Ary dos Santos, e este Cavalo Solta (uma das canções da minha vida) é um exemplo entre muitos, dessa produção conjunta criado em 1971.
Depois da morte de Ary dos Santos, alguns terão pensado que seria o fim de Fernando Tordo, enquanto artísta. Puro engano o grande talento dele impôs-se e continuou o seu caminho com muitas coisas belíssimas.

Minha laranja amarga e doce
Meu poema feito de gomos de saudade
Minha pena pesada e leve
Secreta e pura
Minha passagem para o breve
Breve instante da loucura
Minha ousadia, meu galope, minha rédia,
Meu potro doido, minha chama,
Minha réstia de luz intensa, de voz aberta
Minha denúncia do que pensa
Do que sente a gente certa
Em ti respiro, em ti eu provo
Por ti consigo esta força que de novo
Em ti persigo, em ti percorro
Cavalo à solta pela margem do teu corpo
Minha alegria, minha amargura,
Minha coragem de correr contra a ternura
Minha laranja amarga e doce
Minha espada, poema feito de dois gumes
Tudo ou nada
Por ti renego, por ti aceito
Este corcel que não sossego
À desfilada no meu peito
Por isso digo canção castigo
Amêndoa, travo, corpo, alma
Amante, amigo
Por isso canto, por isso digo
Alpendre, casa, cama, arca do meu trigo
Minha alegria, minha amargura
Minha coragem de correr contra a ternura
Minha ousadia, minha aventura
Minha coragem de correr contra a ternura
Minha alegria, minha amargura
Minha coragem de correr contra a ternura
Minha ousadia, minha aventura
Minha coragem de correr contra a ternura
Minha alegria, minha aventura
Minha coragem de correr contra a ternura

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>> aqui


sábado, 1 de março de 2008

A morte saíu à rua

O significado deste poema de José Afonso, não podia referir-se apenas ao assassinato do pintor José Dias Coelho em 19 de Dezembro de 1961, morto a tiro pela PIDE numa rua de Alcântara em Lisboa, mas simbolizava para quem o ouvia, todos os mortes e torturados pela PIDE nessa época sombria de 40 anos.

A morte saiu à rua num dia assim
Naquele lugar sem nome pra qualquer fim
Uma gota rubra sobre a calçada cai
E um rio de sangue dum peito aberto sai

O vento que dá nas canas do canavial
E a foice duma ceifeira de Portugal
E o som da bigorna como um clarim do céu
Vão dizendo em toda a parte o pintor morreu

Teu sangue, Pintor, reclama outra morte igual
Só olho por olho e dente por dente vale
À lei assassina à morte que te matou
Teu corpo pertence à terra que te abraçou

Aqui te afirmamos dente por dente assim
Que um dia rirá melhor quem rirá por fim
Na curva da estrada há covas feitas no chão
E em todas florirão rosas duma nação

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui