Querendo ver outros blogs meus consultar a Teia dos meus blogs

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Green green grass of home


The old home town looks the same as I step down from
the train,
And there meet me is my Mama and my Papa.
Down the road I look and there runs Mary hair of gold
and lips like cherries.
It's good to touch the green, green grass of home.

The old house is still standing tho' the paint is
cracked and dry,
And there's that old oak tree that I used to play on.
Down the lane I walk with my sweet Mary, hair of gold
and lips like cherries.
It's good to touch the green, green grass of home.
Yes, they'll all come to meet me, arms reaching,
smiling sweetly.
It's good to touch the green, green grass of home.

Then I awake and look around me, to the four grey wall
that surround me
And then I realize that I was only dreaming.
There's a guard and sad old padre
Arm in arm we'll walk at daybreak.
Again I touch the green, green grass of home.
Yes, they'll all meet together in the shade of that
old oak tree
As we neath indeed the green, green grass of home.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Vampiros

Em 29 de Janeiro de 1983 realiza-se o espectáculo no Coliseu com José Afonso já em dificuldades.

Participam Octávio Sérgio, António Sérgio, Lopes de Almeida, Durval Moreirinhas, Rui Pato, Fausto, Júlio Pereira, Guilherme Inês, Rui Castro, Rui Júnior, Sérgio Mestre e Janita Salomé.

É publicado o duplo álbum Ao Vivo no Coliseu."


No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas Pela noite calada
Vêm em bandos Com pés veludo
Chupar o sangue Fresco da manada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

A toda a parte Chegam os vampiros
Poisam nos prédios Poisam nas calçadas
Trazem no ventre Despojos antigos
Mas nada os prende Às vidas acabadas

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

No chão do medo Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos Na noite abafada
Jazem nos fossos Vítimas dum credo
E não se esgota O sangue da manada

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

São os mordomos Do universo todo
Senhores à força Mandadores sem lei
Enchem as tulhas Bebem vinho novo
Dançam a ronda No pinhal do rei

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Se alguém se engana Com seu ar sisudo
E lhe franqueia As portas à chegada
Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Eles comem tudo Eles comem tudo
Eles comem tudo E não deixam nada [bis]

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui



Canção de embalar

Na passagem dos 21 anos da sua morte, uma dos seus temas de sempre, numa altura em que se torna cada vez mais necessário "repor" o Zeca Afonso, na actualidade dos nossos dias.

Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi,
Se ela não vier de madrugada,
Outra que eu souber será pra ti
ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô (bis)

Outra que eu souber na noite escura,
Sobre o teu sorriso de encantar,
Ouvirás cantando nas alturas,
Trovas e cantigas de embalar. (bis)
ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô (bis)

Trovas e cantigas muito belas,
Afina a garganta meu cantor,
Quando a luz se apaga nas janelas,
Perde a estrela d'alva o seu fulgor
ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô (bis)

Perde a estrela d'alva pequenina,
Se outra não vier para a render
Dorme que ainda à noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer
ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô (bis)

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


sábado, 23 de fevereiro de 2008

A white shade of pale

Dizem que Procol Harum era um banda de rock progressivo, eu não me lembro de se chamar isso quando era o máximo, no tempo em que a dançavamos, quando "tudo" era tão difícil, para vencer os olhares implacáveis da segunda fila, a das mães e tias.

We skipped the light fandango
turned cartwheels 'cross the floor
I was feeling kinda seasick
but the crowd called out for more
The room was humming harder
as the ceiling flew away
When we called out for another drink
the waiter brought a tray

And so it was that later
as the miller told his tale
that her face, at first just ghostly,
turned a whiter shade of pale

She said, 'There is no reason
and the truth is plain to see.'
But I wandered through my playing cards
and would not let her be
one of sixteen vestal virgins
who were leaving for the coast
and although my eyes were open
they might have just as well've been closed

And so it was that later
as the miller told his tale
that her face, at first just ghostly,
turned a whiter shade of pale

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>> aqui


terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Le petit garçon

Seria muito incompleto este repositório das músicas da minha vida, do meu tempo de ontem e porque não, do meu tempo de agora, se não trouxesse Serge Reggiani, um homem que foi tudo o que à arte interessasse e tudo fez bem, cantou, foi comediante actor de cinema e também pintor. Nasceu em Itália e morreu em Paris em 23 de Julho de 2004

Ce soir mon petit garçon
Mon enfant, mon amour
Ce soir, il pleut sur la maison
Mon garçon, mon amour
Comme tu lui ressembles!
On reste tous les deux
On va bien jouer ensemble
On est là tous les deux
Seuls

Ce soir elle ne rentre pas
Je n'sais plus, je n'sais pas
Elle écrira demain peut-être
Nous aurons une lettre
Il pleut sur le jardin
Je vais faire du feu
Je n'ai pas de chagrin
On est là tous les deux
Seuls

Attend, je sais des histoires
Il était une fois
Il pleut dans ma mémoire
Je crois, ne pleure pas
Attends, je sais des histoires
Mais il fait un peu froid, ce soir
Une histoire de gens qui s'aiment
Une histoire de gens qui s'aiment

Tu vas voir
Ne t'en vas pas
Ne me laisse pas

Je ne sais plus faire du feu
Mon enfant, mon amour
Je ne peux plus grand-chose
Mon garçon, mon amour
Comme tu lui ressembles!
On est là tous les deux
Perdus parmi les choses
Dans cette grande chambre
Seuls

On va jouer à la guerre
Et tu t'endormiras
Ce soir, elle ne sera pas là
Je n'sais plus, je n'sais pas
Je n'aime pas l'hiver
Il n'y a plus de feu
Il n'y a plus rien à faire
Qu'à jouer tous les deux
Seuls

Attends, je sais des histoires
Il était une fois
Je n'ai plus de mémoire
Je crois, ne pleure pas
Attends, je sais des histoires
Mais il est un peu tard, ce soir
L'histoire des gens qui s'aimèrent
Et qui jouèrent à la guerre

Ecoute-moi
Elle n'est plus là
Non... ne pleure pas... !

Caso não consiga ver o vídeo abaixo referido clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Negue

Novamente o Negue mas agora com Bethania é outra coisa

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>>> aqui



quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Love is blue

Paul Mauriat nasceu em Marselha, 4 de março de 1925 e faleceu em Perpinhã, 3 de Novembro de 2006 foi um orquestrador francês. Filho de uma família de músicos, tendo seu pai como primeiro mestre.
Mauriat cresceu em Paris e aos dezessete anos, organiza sua própria orquestra, apresentando-se em cabarés e teatros na França e em outros países da Europa.
Ele se retirou da profissão em 1998, num último show em Osaka, Japão. Mas a orquestra ainda faz shows pelo mundo.

Do concerto comemortivo dos 30 anos de carreira Love is blue o seu tema mais conhecido a encabeçar um pequeno mix doutros temas famosos.

Uma grande orquestra

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>> aqui

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Como una ola





Rocio Jurado faleceu no dia 1 de Junho de 2006.

Havendo controvérsia sobre a data do seu nascimento, parecendo ser mais certo ter acontecido em 18 de Setembro de 1946, regista-se unanimidade na sua voz e na sua presença, como a VOZ de ESPANHA.






Grabe tu nombre en mi barca,
me hice por ti marinero
para cruzar los mares
surcando los deseos
fui tan feliz en tus brazos
fui tan feliz en tu cuerpo
que el corazón quedo preso
de tu cuerpo y de tu piel.

Como una ola tu amor llego a mi vida
como una ola de fuego y de caricias
de espuma blanca y rumor de caracolas
como una ola
y yo quede prendida en tu tormenta
perdi el timon sin darme apenas cuenta
como una ola
tu amor crecio como una ola.

Baje del cielo una estrella
en el hueco de mis manos
y la prendi a tu cuello
cuando te dije te amo,
pero al mirarte a los ojos
vi una luz de desencanto
me avergonze de mi estrella
y llorando me dormi.

Como una ola tu amor llego a mi vida
como una ola de fuerza desmedida
senti en mis labios
tus labios de amapola
como una ola,
y me escape contigo mar adentro
sin escuchar las voces en el viento
como una ola
se fue tu amor como una ola.

Y me escape contigo mar adentro
sin escuchar las voces en el viento
como una ola,
se fue tu amor como una ola.

Caso não consiga ver o vídeo abaixo referido clicar >>>>>>>>>>>>> aqui

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

You are so beautiful

Patti Labelle é safra de 44, nascida a 24 de Maio. Fantástica acompanhada por Joe Cocker e Billy Preston ao piano, num concerto em 1985

You are so beautiful
to me you are so beautiful
to me, can't you see
you're everything I've hoped for
you're everything I need
you are so beautiful to me
you are so beautiful to me
you are so beautiful to me, can't you see
you're everything I've hoped for
you're everything I need
you are so beautiful to me.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

Metade

Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio
que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
que a mulher que amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.
Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com
fervor
apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos
porque metade de mim é o que ouço
mas a outra metade é o que calo.
Que essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz que eu mereço
e que essa tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
mas a outra metade é um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste
e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos
suportável
que o espelho reflita em meu rosto num doce sorriso
que eu me lembro ter dado na infância
porque metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
e que o teu silêncio me fale cada vez mais
porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.
Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba
e que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.
E que a minha loucura seja perdoada
porque metade de mim é amor
e a outra metade também.

Caso não consiga ver o vídeo clicar >>>>>>>>>>>>>>>>> aqui